Receita Federal orienta sobre compras no Paraguai durante o período da pandemia de COVID-19 Featured

  
No dia 24 de março foi efetivado pelo Paraguai o fechamento de todas as fronteiras a viajantes e o cancelamento de voos de aeronaves comerciais e privadas provenientes do exterior, de modo que não é possível a entrada de turistas em seu território. Consequentemente, durante o período de pandemia, não é possível trazer bens do país vizinho como bagagem, ficando sem aplicação a cota de isenção de 500 dólares.
A Portaria nº 125, de 19 de março de 2020, da Presidência da República/Casa Civil, proibiu a entrada de estrangeiros no país, mas não vedou saída de brasileiros para o exterior.
Ocorre que, especificamente em relação à República do Paraguai, foi estabelecido o Decreto nº 3465, de 17 de março de 2020, pelo qual somente se autoriza o procedimento de migração para “membros de missões diplomáticas e organismos internacionais com ingresso autorizado, nacionais e estrangeiros residentes no Paraguai”, além de restringir a saída destes do território nacional. Posteriormente, a partir de 24 de março foi efetivado o fechamento de todas as fronteiras a viajantes e o cancelamento de voos de aeronaves comerciais e privadas provenientes do exterior.
Assim, não é possível a entrada de turistas no território paraguaio, pelo que há total impossibilidade jurídica de declaração de bens por brasileiro como bagagem. Nesse sentido, fica sem aplicação a cota de isenção de US$ 500,00 prevista no regime de tributação especial para bagagem acompanhada.
Em decorrência, enquanto forem vigentes as medidas impostas pelo governo do país vizinho, todo bem de procedência estrangeira encontrado com brasileiro na área do município de Ponta Porã ou de qualquer outro município do país e que tenha entrado pela fronteira Brasil/Paraguai será considerado irregular, sendo cabível o perdimento da mercadoria e a aplicação das medidas penais pertinentes.
Cabe ressaltar que o art. 5°, III da Portaria nº 125/2020, apesar de permitir o “tráfego de residentes de cidades gêmeas com linha de fronteira exclusivamente terrestre” não tem o condão de, por si só, chancelar a aquisição de bens no exterior contrariamente às exigências de ordem pública do governo paraguaio.
Em relação às admissões temporárias de veículos, como não foram especificados os requisitos para a restrição, continua sendo realizada pela Aduana de Ponta Porã, relativamente aos brasileiros que tenham dado saída definitiva do país e conduzam veículo de placa estrangeira.
 
Assessoria de Imprensa - Receita Federal
16/06/2020
Rate this item
(1 Vote)

Deixe um comentário em nosso mural

Certifique-se de inserir todas as informações necessárias, indicadas por um asterisco (*). Código HTML não é permitido.

Notícias Recentes

CURTA NOSSA PÁGINA

Imagens Notícias

Prefeitura de Ponta Porã recebe mais de 5 mil EPI´s da JBS

Covid-19: Brasil tem 69.184 mortes e 1.755.779 casos confirmados, dizem secretarias de Saúde

STJ concede prisão domiciliar a Fabricio Queiroz

Cantora Jayana Moreira é destaque da musica Gospel em 2020

Motorista ouve Deus lhe dizer para se abaixar e escapa de acidente: “Ele me salvou”

Vereadores de Ponta Porã aprovam 66 emendas ao projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias

Caixa isenta linhas do Pronampe de tarifa de abertura de crédito

Vostok: Reinaldo e filho são indiciados pela federal por corrupção e lavagem de dinheiro

Mãe é socorrida após ser esfaqueada no rosto pela filha